Negócios

PagSeguro quer montar sua própria plataforma de investimentos, diz Brazil Journal

Empresa conhecida pelas maquininhas precisa agregar novos serviços a sua conta digital, PagBank, lançada no ano passado

Cartões do PagBank, conta digital da PagSeguro
Cartões do PagBank, conta digital da PagSeguro. Foto: reprodução.
Read in english
  • Uma equipe já está sendo formada para isso: na semana passada, a empresa contratou o head de produtos financeiros da Ágora;
  • E uma firma de headhunters está conversando com profissionais das áreas de ações e derivativos.

Segundo Geraldo Samor, do Brazil Journal, a PagSeguro está se preparando para lançar um mercado de plataforma de investimentos. Uma equipe já está sendo formada para isso: na semana passada, a empresa contratou o head de produtos financeiros da Ágora e uma firma de headhunters está conversando com profissionais das áreas de ações e derivativos.

LEIA TAMBÉM: XP compra participação majoritária na fintech Antecipa, de recebíveis

Outra contratação, feita pela PagSeguro no ano passado, também deve colaborar para o novo negócio: Ana Carolina Camargo veio da Pi, plataforma de investimentos independente do Santander, para assumir a posição de chefe de investimentos e bolsa de valores.

Como Samor lembrou, a entrada da PagSeguro no mercado de plataformas de investimentos, hoje dominado por nomes como XP, Genial, Guide, modalmais e outras, é uma maneira de atrair novos clientes e complementar a linha de produtos de seu banco digital, o PagBank, que hoje oferece apenas contas de poupança, cartões de débito e crédito.

LEIA TAMBÉM: BC diz que método de pagamento PIX pode acelerar e-commerce

Como mostrado pelo LABS na semana passada, o PIX, sistema de pagamentos instantâneos sob a liderança do Banco Central brasileiro previsto para estrear oficialmente em novembro deste ano, deve “roubar” uma boa parte dos pagamentos feitos hoje por boleto bancário e cartão de débito, além dos depósitos e transferências (TED e DOC). Se adotada largamente pelos brasileiros, essa nova forma de se fazer pagamentos e transferências também pode levar adquirentes a perder até 63% das suas receitas, ou R$ 13 bilhões se considerado o faturamento conjunto de R$ 21,4 bilhões dos cinco principais players do mercado nacional (StoneGetNetPagSeguroRede e Cielo) em 2019. A estimativa é da consultoria alemã Roland Berger.