Negócios

E-commerce brasileiro cresceu 81% em abril e faturou R$ 9,4 milhões

Alimentos e Bebidas é o setor que liderou o maior crescimento em volume de compras on-line

Para atenuar as perdas causadas pelo coronavírus, as empresas aceleraram sua transformação digital e começaram a vender online. Foto: Shutterstock
Read in english

O e-commerce brasileiro atingiu R$ 9,4 milhões em abril, um aumento de 81% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo a Compre&Confie. Isso aconteceu por conta das medidas de distância social para evitar o contágio do coronavírus que continuam a impactar negativamente o varejo. Para amenizar as perdas, as empresas aceleraram sua transformação digital e começaram a vender online.

A alta se dá pelo aumento de pedidos realizados em abril: foram 24,5 milhões de compras online, um aumento de 98% em relação a abril de 2019. Segundo a pesquisa, os setores que tiveram o maior crescimento em volume de compras em comparação com o mesmo mês no ano passado foram: 

  • Alimentos e Bebidas +294,8% 
  • Instrumentos Musicais +252,4%
  • Brinquedos +241,6%
  • Eletrônicos +169,5%
  • Mesa e Banho +165,9%

Mesmo com o aumento nas vendas, o tíquete médio apresentou queda na comparação com o mesmo mês do ano anterior, significando que embora as pessoas estejam comprando mais no e-commerce, estão gastando em produtos mais baratos.

LEIA TAMBÉM: COVID-19 é teste de fogo para o ensino online; e professor, segredo do sucesso das boas ferramentas

A previsão do e-commerce para maio é de recorde por conta do Dia das Mães. O Compre&Confie afirma que as compras devem atingir R$ 5,9 bilhões, um aumento de 123% em relação ao mesmo mês no ano passado. 

A estimativa considera o período de 25 de abril a 9 de maio e projeta que, nesse intervalo, sejam realizadas 15,5 milhões de compras online, número 139% maior do que o registrado no mesmo período de 2019.

LEIA TAMBÉM: Ritmo de crescimento da PicPay cresce 6 vezes em meio à crise

Apesar de comprarem em maior quantidade, os brasileiros também devem gastar menos em cada transação nessa previsão. A empresa projeta uma queda de 7% no tíquete médio das compras, totalizando R$ 380,23.