Economia

Contra coronavirus, o governo federal vai permitir que trabalhadores saquem R$ 1.045 do FGTS

Cronograma de saques começa no próximo dia 15 de junho, e será responsabilidade da Caixa

cédulas de Real
  • Os saques serão efetuados conforme cronograma de atendimento, critérios e forma estabelecidos pela Caixa Econômica Federal;
  • Quem tiver conta na Caixa, terá o depósito do dinheiro direto na conta. 

O governo federal vai permitir o saque de R$ 1.045 do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) a partir de 15 de junho. A decisão foi publicada por meio de uma medida provisória divulgada na terça-feira à noite, e deve ajudar a amenizar o impacto da crise na renda de muitas famílias. 

LEIA TAMBÉM: Existe algum remédio para o Brasil proteger emprego e renda durante a crise?

O cronograma de saques se estenderá até 31 de dezembro. Pelos cálculos da equipe econômica do governo Bolsonaro, a medida pode injetar R$ 36 bilhões na economia. Espera-se que as famílias usem o dinheiro para pagar dívidas e reforçar a renda em meio à pandemia do coronavirus.

Por ser uma MP, a decisão tem efeito imediato mas precisa ser aprovada pelo Congresso para continuar a valer. Com a crise da Covid-19, o Congresso deve analisar a medida em menos tempo que o normal. Com um no rito aprovado semana passada, as MPs precisam agora ser votadas em 16 dias.

LEIA TAMBÉM: Aéreas da América Latina podem perder US$ 15 bilhões em receita

Os saques serão efetuados conforme cronograma de atendimento, critérios e forma estabelecidos pela Caixa Econômica Federal. Quem tiver conta na Caixa, terá o depósito do dinheiro direto na conta. 

Também na terça-feira, o governo publicou o decreto que regulamenta a operação do pagamento do auxílio emergencial de R$ 600. O programa, que deve custar R$ 98,2 bilhões ao governo, tem potencial para atender 54 milhões de trabalhadores informais, autônomos e desempregados no país.