Economia

Crise argentina pode anular efeito da liberação FGTS no PIB do Brasil

Análise de economistas do Itaú leva em conta a desaceleração na China e nos EUA e o peso que o país vizinho tem nas exportações brasileiras

cédulas de pesos argentinos e reais
Read in english
  • Peso da Argentina nas exportações brasileiras é de apenas 5%;
  • O problema é que para cada 5% de queda na produção industrial argentina, as exportações para lá recuariam 25%, um impacto de 0.2 ponto percentual no PIB do Brasil. 

Economistas do banco Itaú avaliam que um avanço da crise argentina pode minar os efeitos positivos que a liberação de parte do FGTS prevista para a partir de setembro, teria sobre o PIB deste ano e de 2020. A análise foi publicada pelo jornal Valor Econômico.

Embora a desaceleração de China e Estados Unidos seja ainda mais prejudicial à recuperação do Brasil que a crise na Argentina, os especialistas do banco alertam para o impacto que quedas consecutivas na produção industrial de lá teria por aqui.

LEIA MAIS: Fusões e aquisições crescem 26% no primeiro semestre de 2019 no Brasil

O peso da China nas exportações brasileiras, disse o economista Luka Barbosa ao jornal, é de 30%, o dos EUA, 20%, e do Argentina, 5%. Para cada 5% de queda na produção industrial argentina, no entanto, as exportações brasileiras para lá recuariam 25%, um impacto de 0.2 ponto percentual no PIB. 

“Isso, com o FGTS, tem efeito para o PIB próximo de zero”, disse Mário Mesquita, economista-chefe do Itaú, ao Valor Econômico.