Economia

Banco Central da Argentina quer estabelecer um piso para o câmbio no país

A autoridade econômica espera conter a alta do dólar nesse período de incertezas pós-eleições presidenciais

O candidato oposicionista às eleições presidenciais da Argentina, Alberto Fernández
Read in english
  • Na segunda-feira (28) logo depois do pleito, o BC da Argentina já tinha decidido limitar a compra e venda de dólares a US$ 200. Mas o mercado paralelo da moeda disparou;
  • Investidores e empresários estão ansiosos pelos planos do novo presidente.

O Banco Central da Argentina está atuando para estabelecer um piso para o câmbio no país. Segundo a Reuters, a autoridade econômica quer evitar uma queda acentuada na moeda após a vitória do candidato de centro-esquerda na eleição presidencial do último domingo.

Na segunda-feira (28) logo depois do pleito, o BC da Argentina já tinha decidido limitar a compra e venda de dólares a US$ 200. Mas o mercado paralelo da moeda disparou.

LEIA TAMBÉM: Gabriela Antunes – Volver – É a partir da definição desta palavra que a colunista do LABS explica a apreensão em torno do resultado das eleições argentinas

Na quinta-feira, dia em que o BC da Argentina ofereceu dólar a 59.99 no mercado, a moeda norte-americana caiu um pouco e fechou o dia cotada a 59.68 pesos argentinos. 

Um porta-voz do líder peronista de centro-esquerda Alberto Fernández disse que ele viajaria ao México nesta sexta (1º). Investidores e empresários estão ansiosos pelos planos do novo presidente.

Conforme o LABS já mostrou, ele enfrentará uma série de problemas econômicos, a começar pela proteção das reservas do país, já insuficientes para, sozinhas, conter o dólar, e uma dura negociação de uma dívida gigante com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e outros credores.