Economia

Argentina deve viver dois anos seguidos de recuo no PIB

Projeções do Banco Central do país vêm na esteira de péssimas expectativas do mercado

O atual presidente da Argentina, Mauricio Macri.
Read in english
  • A inflação deve aumentar para 55% em 2019, e ficar em 38% em 2020, segundo analistas ouvidos pelo BCRA;
  • Ao mesmo tempo, o PIB argentino deve recuar -2,5% neste ano e -1,1% no ano que vem.

Após uma pesquisa com analistas de mercado, feita entre os dias 28 e 30 de agosto, o Banco Central da Argentina (BCRA) apresentou na terça-feira (3) uma previsão sombria para sua economia nacional nos próximos dois anos. 

Segundo a pesquisa, a inflação geral subirá para 55% (15 pontos acima do levantamento anterior) este ano e permanecerá em 38% (10 pontos acima da pesquisa anterior) em 2020. 

LEIA TAMBÉM: Atuação de novo ministro da Fazenda definirá futuro político e econômico da Argentina

As projeções para o produto interno bruto (PIB) também pioraram. Os analistas consultados pelo BCRA esperam que o PIB caia -2,5% em 2019 e -1,1% em 2020 – na pesquisa anterior a projeção para o ano que vem era de crescimento de 2%.

LEIA TAMBÉM: Crise argentina pode anular efeito da liberação FGTS no PIB do Brasil

Ou seja, o cenário para o primeiro turno das eleições presidenciais é ainda pior do que aquele previsto ainda durante as primárias, em agosto. Aparentemente, a crise econômica se agravou após os resultados das primárias mostrarem de forma contundente que o atual presidente Mauricio Macri não conseguirá se reeleger.