Facebook Icon Twitter icon Linkedin icon
Importadores

Como comprar em lotes da China?

Enviar por email para ler depois

Então tá! Se você chegou até aqui é porque quer saber como comprar em quantidade da China, certo?

Algumas coisas que você precisa saber de antemão: quando as encomendas são muito grandes, acima de 3.000 dólares, elas entram numa categoria de importação que deve ser registrada no RADAR, do Sistema Integrado de Comércio Exterior.

Essas encomendas devem passar por uma série de trâmites que envolvem nada menos que, aproximadamente, 8 impostos, além de um frete que pode passar tranquilamente dos R$ 10 mil. Tudo isso, recomenda-se, ainda deve ser acompanhado por empresas especialistas nessas transações de importação.

MAS, existe uma forma muito mais tranquila de comprar em quantidade da China para revender no Brasil. E esse é o nosso foco aqui hoje.

Está muito mais fácil importar da China

Comprar muitos produtos da China
Comprar da China em grande quantidade

Não há como negar que a importação de produtos chineses para o Brasil vem ficando cada vez mais ágil. Isso se deve muito ao surgimento de sites como o Alibaba, que têm a nobre missão de conectar fabricantes chineses com o microimportador brasileiro.

É nobre porque é uma plataforma que vende apenas em quantidade e ajuda muitos pequenos empresários que não têm condições de importar produtos em lotes gigantescos – o que simplifica, e MUITO, o processo de importação.

Além de facilitar o acesso a fornecedores chineses, o Alibaba ainda permite que brasileiros negociem em português com os fabricantes de lá. E não é só isso: Dá também para comprar na China e pagar em real, no boleto!

Por serem lotes menores, o envio das mercadorias também é muito mais tranquilo, afinal o preço do container é otimizado, pois é possível encaixar tudo num mesmo transporte e o valor do despacho NÃO chega aos 10.000 reais (com toda a certeza do mundo)!

O caminho das pedras para trazer lotes de produtos da China

Já falamos das variações de taxas e impostos para importar em quantidade da China.

A melhor recomendação para quem é microimportador e não vai fazer transações milionárias, é utilizar a faixa de até 3.000 dólares (produtos + frete + seguro) autorizada pela Receita Federal aqui do Brasil.

Dentro dessa categoria não é necessário registrar sua empresa no RADAR, do Siscomex (Sistema Integrado de Comércio Exterior), e você consegue pagar apenas três taxas: Imposto de Importação (no máximo 60% do valor da encomenda), ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, em alguns casos) e o valor do desembaraço aduaneiro (que varia do profissional que você for contratar).

A importação fica tão simples, que é possível organizar a compra e o envio do lote por um serviço dos Correios chamado Importa Fácil. Eles cuidam de fazer seu conjunto de produtos chegarem ao destino com tranquilidade e ainda conseguem incluir o trabalho de desembaraço aduaneiro a um custo de R$ 250,00 por encomenda.

Ampliando a margem de lucro

O resultado de utilizar um método de importação desses tem efeito direto no negócio de quem é microimportador. Os produtos da China têm qualidade mas podem ser adquiridos a um preço muito mais em conta do que aqui no Brasil ou em outros países.

Este custo x benefício acontece muito em função do baixo valor de produção que os chineses conseguem por lá. Mão de obra barata, produção em uma escala muito grande e impostos super pequenos. Não é à toa que empresas como Apple, Samsung e outras gigantes do mundo de eletrônicos produzem tablets, smartphones e computadores na China.

Para quem é microimportador no Brasil, saber encontrar o equilíbrio certo no custo do produto e na revenda é essencial. Por isso comprar em lotes da China é tão atrativo e, se tiver um processo simplificado e menos custoso, pode aumentar (e muito!) a margem de lucro na revenda.

Leave your comment

* *

You might also like