Facebook Icon Twitter icon Linkedin icon
Ecommerce

Mercado de turismo: O grande líder em vendas online na Argentina

Enviar por email para ler depois

Segundo o Relatório Anual de Impacto Econômico 2017, o setor de hotelaria e turismo representou 10,3% do PIB argentino. Só com essa pequena informação já dá para entender a importância que a área de viagens tem para a economia do país sul-americano. Você sabe como esse mercado pode ser uma boa oportunidade para as operadoras de turismo brasileiras? Vamos te explicar.

O mercado de turismo na Argentina

O Conselho Mundial de Viagens e Turismo (em inglês World Travel & Tourism Council – WTTC) é uma organização que tem como objetivo aumentar a visibilidade do setor de viagens e turismo em todo o mundo. De acordo com eles, a Argentina está no caminho para se tornar uma potência mundial nesse segmento, sendo que só no ano de 2017 o país arrecadou mais de 1 bilhão de pesos na área.

Em outra análise conduzida pela Amadeus, ficou determinado que o setor de viagens e turismo é responsável por cerca de 5,4% dos empregos argentinos. Esse mesmo estudo previu para 2017 mais de 30 milhões de viagens domésticas e mais de 9,1 milhões de visitas ao exterior.

Apesar da pesquisa se mostrar otimista, o resultado na realidade foi ainda melhor. Segundo o Ministério de Turismo da Argentina, foram mais de 12 milhões de viagens internacionais em 2017. Um aumento de 17,3% em relação ao ano anterior. E a ascensão não tem previsão para acabar, já que ainda de acordo com a organização, só o mês de maio de 2018 teve 309 mil pessoas que viajaram para fora do país.

cross-border-insights

Material exclusivo!

Descubra como aumentar suas vendas conquistando os turistas da América Latina!

Download gratuito!

No Brasil, por exemplo, os argentinos são campeões em entradas. Um levantamento feito pelo Skyscanner definiu que os hermanos foram os que mais procuraram por passagens aéreas para o território brasileiro no primeiro semestre de 2017. Já a Embratur acredita que para esse ano, devem chegar cerca de 2,7 milhões de argentinos no país.

Esse crescimento visível do mercado de turismo na Argentina começou a acontecer após um período de crise política e econômica na região. Percebendo os resultados negativos, o Ministério do Turismo do país adotou algumas medidas para incentivar o setor, como: redução na carga tributária IVA (Imposto sobre Valor Agregado) e fim da exigência do visto.

Travel Sale

O mercado argentino de viagens e turismo está tão em alta que foi criado um evento estilo black friday para esse setor, o Travel Sale. A edição de 2018 vai acontecer do dia 27 de agosto a 2 de setembro.

Durante este evento promocional, as operadoras de turismo oferecem aos usuários descontos em passagens aéreas e pacotes que variam de 25% a 60%. Atualmente, as edições do Travel Sale acontecem no mês de agosto por conta de uma estratégia de marketing. O setor entende que é durante esse período que os argentinos começam a pensar em suas férias. Além disso, a data não compete com as outras três jogadas comerciais online: hotsale, cybermonday e black friday.

De acordo com os números iniciais, a semana promocional do Travel Sale em 2017 apresentou um faturamento 1339% maior que o da edição anterior, chegando a gerar mais de 129 milhões de pesos argentinos em vendas. Por conta dos descontos oferecidos, o turismo doméstico cresceu uma média de 20% em relação à 2016. Vale ressaltar que o departamento de viagens sempre se configura como um dos mais vendidos pela internet. Entre outros dados sobre a Travel Sale 2017, podemos destacar:

  • Foram 80 agências de turismo participantes, sendo 8% a mais do que a edição anterior;
  • 60% foi o desconto máximo oferecido pelas operadoras;
  • Os métodos de pagamentos disponíveis eram tanto online (cartão de crédito), como offline (cupón de pago);
  • As consultas diárias nos sites das agências aumentaram 25%;
  • Os sites das operadoras tiveram um aumento de 42,5% nas visitas.

Um outro aspecto que foi percebido pela Travel Sale é em relação ao método de pagamento preferido dos argentinos. Muitos deles aproveitam as promoções para comprar parcelado (cerca de 80%).

A Turismocity, por exemplo, retratou os aspectos positivos que o evento teve em seu faturamento. As vendas no site aumentaram cerca de 50% durante o período. Entre os principais pacotes comprados estavam as cidades de Montevidéu, Nova York, Rio de Janeiro, Búzios e Cancun.

Os argentinos no Brasil

Como já comentamos rapidamente acima, os argentinos costumam ser um dos principais visitantes do Brasil. A Polícia Federal realizou um levantamento da quantidade de turistas que chegaram no território brasileiro em 2017. Foram mais de 6.5 milhões de viajantes, o maior número de entrada de estrangeiros na história.

Deste total, 62,4% vieram dos países vizinhos da América do Sul. Sendo que o principal emissor de turista internacional foi a Argentina com mais de 2.6 milhões de visitantes, ou seja, quase 40% de todos os viajantes internacionais que o Brasil recebe.

Segundo os dados disponibilizados pela Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), janeiro e fevereiro são os meses com os maiores picos de turistas argentinos no país. O que não é uma grande surpresa, já que esse período é o mais quente do ano, além de ser a época em que acontece o tradicional carnaval. Depois de março, o número de visitantes começa a cair e se mantém equilibrado até dezembro.

Ainda de acordo com este levantamento, os argentinos que vêm ao Brasil por lazer procuram sol e praia (87,3%) e ecoturismo (7,3%). Não é a toa que as cidades mais visitadas por esses turistas sejam: Florianópolis (SC), Rio de Janeiro (RJ), Armação dos Búzios (RJ), Bombinhas (SC) e Foz do Iguaçu (PR).

Já os hermanos que precisam vir ao país para eventos e convenções, normalmente têm como destino: São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Porto Alegre (RS), Belo Horizonte (MG) e Curitiba (PR).

Além das regiões serem diversas, o gasto médio diário e a quantidade de dias visitados também são diferentes quando o propósito é lazer ou negócios. Quem vem passear tem um gasto médio diário de US$ 51,13 e passa 10 dias, já quem vem a trabalho gasta cerca de US$ 84,63 diariamente por 6 dias.

O argentino que chega ao Brasil para lazer é em sua maioria de 32 a 50 anos. Em 54,1% a visita é feita em família, 21,5% dos casos é um casal sem filhos, 11,8% vem sozinho e 10,8% acompanhado de amigos. Normalmente, esse turista prefere ficar em hotel, flat ou pousada (41,9%) ou em casa de amigos e parentes (34,8%).

Apesar de uma parcela considerável (6,5%) dos argentinos virem para o Brasil por conta de viagens de negócios, a maioria esmagadora (86,8%) chega ao país com o objetivo de aproveitar a folga. Em se tratando dos canais de compra, 35% dos turistas preferem adquirir a viagem diretamente pela internet, superando a quantidade feita em agências de turismo física (27%).

Além de todos esses dados, a Embratur também identificou alguns padrões nas compras feitas por esse público. Entre os principais pontos, podemos destacar:

  • Crescimento na demanda por roteiros econômicos e com duração mais curta;
  • Aumento da malha aérea para o território brasileiro, com novos vôos diretos a partir de Buenos Aires, Córdoba, Rosário e Mendoza;
  • Aumento do deslocamento terrestre;
  • Preferência dos argentinos por pacotes All Inclusive. Esse tipo de serviço oferece mais segurança quanto aos gastos com a viagem;
  • O turismo de família é um importante nicho no mercado;
  • Aumento de procura e demanda para a região nordeste do Brasil.

Como atrair os turistas argentinos?

Considerando que os argentinos são os principais turistas no Brasil, as agências de viagens brasileiras têm nesse público um potencial de mercado bastante alto. Pensando em atrair esse tipo de viajante para a sua empresa, separamos 3 dicas essenciais:

Conheça o perfil desse turista

Apesar de algumas particularidades, o perfil do turista argentino pode ser considerado homogêneo. Por exemplo, a maioria viaja em família e procura por um lugar em que possa aproveitar sol e praia. São essas características que vão fazer com que a sua operadora consiga montar pacotes de viagens atraentes para esse tipo de turista.

Além disso, é importante conhecer qual é a forma que esse público gosta de comprar. Como apresentamos ao longo do texto, boa parte dos argentinos preferem viajar para o Brasil nos meses de janeiro e fevereiro. Uma promoção no mesmo momento em que acontece a Travel Sale de agosto com a oportunidade de dividir o pacote até a data da viagem no início do ano, com certeza vai chamar a atenção de muitos desses viajantes.

Personalização do site e atendimento

Para que não haja barreira de comunicação é interessante que o site da agência e a sua central de atendimento tenha uma personalização para a área da Argentina, como: informações em espanhol, método de navegação usado no país e valores descritos em pesos argentinos.

Método de pagamento local

Cerca de 80% dos argentinos preferem comprar pacotes de viagens de forma parcelada, enquanto o restante opta por uma opção à vista, como o Cupón de Pago. Para suprir essa necessidade do público é fundamental contar com um método de pagamento local.

Assim, o público pode parcelar a compra, não precisa fazer a conversão da moeda e nem se preocupar com a cobrança de impostos. Para ter essa opção em seu site, você pode contar com um parceiro de pagamentos, como o EBANX.

Conclusão

Além de ser um mercado em constante expansão, o turismo argentino impacta diretamente a economia brasileira. Afinal, a Argentina é o país que mais traz estrangeiros ao país. Mesmo com tantos resultados positivos, muitas agências de viagens brasileiras ainda não exploram essa oportunidade e contam com a venda de seus pacotes em sites parceiros que cobram altas taxas para esse uso.

Com algumas atitudes simples, como estudo de mercado, personalização do site, central de atendimento e adoção de métodos de pagamento locais, a operadora pode ter força o suficiente para se manter sozinha e competir com as empresas argentinas.

Ebook_turistas_latinos_labs
Baixe o e-book agora!

Como vender online para Turistas em toda a América Latina

Leave your comment

* *

You might also like