Facebook Icon Twitter icon Linkedin icon
Ecommerce

Quer abrir um e-commerce nos EUA? Tudo o que você precisa saber sobre um e-commerce internacional

Entenda qual é o passo a passo para abrir um e-commerce nos Estados Unidos e saiba tudo sobre como começar um e-commerce internacional!

Enviar por email para ler depois

Não é novidade para ninguém que os Estados Unidos são uma grande vitrine para todo o mundo. Só na área de comércio eletrônico, o país movimenta mais de 400 bilhões de dólares ao ano. Confira algumas dicas sobre como abrir um e-commerce nos EUA e saiba por que vender internacionalmente para o Brasil e a América Latina é um bom negócio.

Como abrir um e-commerce nos EUA?

Ao contrário do Brasil em que o processo é bastante burocrático, abrir um e-commerce internacional nos EUA é algo rápido (mais ou menos 30 dias) e que pode ser feito totalmente online. Você precisará investir um valor médio de 699 dólares durante este primeiro mês para abertura da empresa.

A legislação americana também é mais simples do que a brasileira, sendo que desde o primeiro dia de operação a loja já pode importar e exportar para todo o mundo. Algumas mercadorias podem exigir alguns registros para serem transportados para fora do país, como cosméticos, por exemplo.

Toda essa facilidade torna o mercado nos Estados Unidos bastante competitivo. Apesar do crescimento natural do setor, muitos empreendedores têm preferido ter um e-commerce nos EUA e vender para a América Latina. Assim, é possível aproveitar as facilidades legislativas e burocráticas americanas ao mesmo tempo em que não precisa lidar com tanta competição.

Como receber pelas minhas vendas aqui no Brasil?

Com o dólar em alta no Brasil e outros países da América Latina, muitos dos usuários desses locais têm dado preferência para compras em moeda local. Para que esse não seja um problema em sua loja virtual, você pode contar com um parceiro de processamento de pagamentos, como o EBANX para região latina-americana.

Desta forma, o consumidor pode adquirir em sua moeda local e não precisa se preocupar em acompanhar o valor do dólar. Além disso, o seu negócio também pode passar a oferecer outros benefícios, como parcelamento, por exemplo.

Como escolher uma plataforma para e-commerce?

As lojas virtuais mudaram o setor comercial nos últimos anos. Segundo pesquisas do e-Marketer, o Brasil ocupa a 10º posição entre os maiores mercados de e-commerce no mundo.

Apesar de uma boa colocação, o país tropical ainda tem muito o que aprender com os Estados Unidos, que é atualmente o grande líder do varejo digital. Entre os principais fatores para essa diferença podemos citar: maior poder aquisitivo dos norte-americanos, maior facilidade burocrática e legislativa e uma sociedade mais tecnológica.

Alguns dados do e-Marketer de 2014 mostram a força que o e-commerce EUA tem. O setor representa 6,5% do varejo no país com um faturamento de 305 bilhões de dólares. Já o Brasil, no mesmo, teve um faturamento de 16,28 bilhões de dólares.

A taxa de conversão também é diferente entre os dois países. Enquanto os norte-americanos têm um número médio de conversões de 3,01%, os brasileiros têm de 1,46%.

Com um mercado líder no setor, os e-commerces nos EUA costumam contar com plataformas focadas em facilitar a experiência do usuário. Então, na hora de escolher um servidor para a sua loja virtual, procure por aqueles que tenham o foco no consumidor como seu objetivo principal.

Uma das plataformas mais utilizadas nos Estados Unidos é o Shopify, uma empresa especializada em soluções para e-commerce. Se você quiser saber mais sobre essa plataforma, já falamos algumas vezes sobre ela no nosso blog em inglês, você pode começar conferindo esse post aqui.

Além disso, existem algumas tendências que ainda aparecem de forma tímida no mercado da América Latina, mas que serão decisivas para o sucesso de um e-commerce internacional. O conceito de Omnichannel, por exemplo, apresenta uma excelente retenção de consumidor (cerca de 89%). Esta máxima diz que a decisão de compra é oferecida nos mais diversos canais e realizada naquele que for mais conveniente para o cliente.

Também não podemos nos esquecer do uso de mobile para as compras. De acordo com um estudo do State Of Mobile Commerce, os dispositivos móveis foram responsáveis por 14% das transações no e-commerce brasileiro durante o primeiro trimestre de 2015. Nos Estados Unidos, no mesmo período, 40% das compras efetuadas foram feitas por mobile. Por isso, é muito importante que a plataforma da loja virtual seja capaz de atender essa demanda.

Por que escolher a América Latina?

Como já comentamos em alguns momentos, o mercado de e-commerce norte-americano é extremamente competitivo. Enquanto isso, o mercado de vendas online na América Latina está em ritmo acelerado de desenvolvimento, falamos em detalhes aqui sobre o potencial dessas economias emergentes para e-commerces.

A boa notícia é que a América Latina é um negócio bastante promissor na área. Para se ter uma ideia, a VTEX definiu que só na Black Friday de 2017 a região teve um faturamento maior do que 3 bilhões de dólares, sendo que cerca de 400 milhões de usuários compraram durante o período.

Como vencer a concorrência?

Apesar do mercado ser menos concorrido que o norte-americano, é importante ter alguns diferenciais para sair na frente das outras lojas virtuais. Pensando nisso, separamos dicas para abrir um e-commerce nos EUA.

Conheça o mercado

Entenda o mercado para o nicho em que você deseja atuar nos Estados Unidos. Estude como funciona toda a cadeia de produção do país, tenha o inglês fluente e tenha especialistas que conheçam todos os passos burocráticos e legislativos que um e-commerce internacional envolve. Assim, você pode evitar qualquer problema que possa prejudicar o processo.

Conheça a cultura do seu público-alvo

Não basta oferecer um excelente produto e serviço se a empresa não consegue se relacionar com o seu público-alvo. Por isso, estude bem como se comporta o consumidor que deseja afetar e tenha em mente que o povo latino é muito diferente entre si.

Os mexicanos, por exemplo, têm na família a principal influência na hora de decidir uma compra. No Brasil e na Argentina, os varejistas costumam aplicar descontos para quem comprar em maior quantidade, enquanto no Chile e na Colômbia é comum que a loja tenha pouca variedade e preços mais baixos.

Ofereça um bom atendimento ao cliente

Mesmo que o seu e-commerce seja nos EUA e inglês seja a língua mais falada do mundo, o ideal é que a central de atendimento esteja preparada para lidar com o público latino em sua língua materna.

É importante que a sua empresa esteja preparada para atender os consumidores da maneira mais rápida possível em todos os canais, como e-mail, redes sociais, chat virtual e mais.

Tenha cuidado no pós-venda

É muito comum que encomendas do exterior sofram com atrasos por conta da fiscalização. Sendo assim, a loja virtual precisa encontrar uma maneira de manter o cliente atualizado sobre o rastreio de sua compra.

O atendimento também precisa estar preparado para lidar com situações adversas, como encomendas não entregues ou itens errados. Nestes casos a resposta precisa ser rápida e o problema solucionado.

Conclusão

Agora, você já está por dentro das principais dicas sobre como abrir um e-commerce nos Estados Unidos e tem orientações sobre escolha de plataformas, métodos de pagamentos e como competir no mercado, está esperando o que para começar? Confira os outros posts disponíveis no nosso blog e baixe o e-book abaixo para saber mais sobre as soluções para todos os desafios de vender online para a América Latina.

Ebook_ecommerce_america_latina_labs
Baixe o e-book agora!

Soluções para os desafios de expandir para a América Latina!

Leave your comment

* *

0 Responses

You might also like