Facebook Icon Twitter icon Linkedin icon
Ecommerce

Negócio lucrativo: venda para o exterior

Pensando em abrir um negócio no Brasil e conquistar o mercado estrangeiro? Conheça alguns dos mercados com maior potencial para vendas no exterior.

Enviar por e-mail

Com o crescimento exponencial do e-commerce no Brasil, não é uma surpresa que os investidores estejam atentos a esse tipo de negócio no país. Para se ter uma ideia, só o mercado de turismo online apresentou uma ascensão de 73% entre 2014 e 2017. Conheça agora os segmentos que apresentam maior lucro no e-commerce brasileiro e saiba como vendê-los para o exterior.

Negócios lucrativos de e-commerce no Brasil

Encontrar o nicho de mercado ideal para investir é um dos principais influenciadores no sucesso do negócio. Segundo dados coletados e divulgados pelo Webshoppers, os segmentos com os maiores números de pedidos online são: Saúde/Cosméticos/Perfumaria (15%), Moda e Acessórios (14,5%), Casa e Decoração (10,9%), Eletrodomésticos (9,8%) e Telefonia/Celulares (7,7%).

Quando falamos de rendimento financeiro, as principais categorias são: Telefonia/Celulares (18,9%), Eletrodomésticos (17,9%), Eletrônicos (11,2%), Informática (9,8%) e Casa e Decoração (9,5%). A seguir, os segmentos que apresentam maior rentabilidade.

Telefonia e Celulares

De acordo com uma pesquisa da Fundação Getúlio Vargas, o Brasil já possui mais celulares ativos (220 milhões) do que brasileiros (207,6 milhões). Ou seja, não é a toa que esse é o setor que apresenta o maior rendimento no e-commerce.

Um dos principais motivos para o sucesso dessa categoria é a constante evolução tecnológica dos aparelhos, o que obriga o cliente a estar sempre trocando o seu smartphone por um mais moderno.

No Brasil, este é um segmento bastante dominado pelos principais comércios eletrônicos, como Lojas Americanas, Ponto Frio e Casas Bahia – para citar alguns. Como é difícil para novos negócios concorrerem com os preços dos varejistas tradicionais, muitos empreendedores têm apostado na venda de celulares usados. Um exemplo é a loja Brused, que só trabalha com aparelhos de segunda mão da Apple.

Eletrodomésticos

O tíquete médio desta categoria costuma ser bastante alto, ou seja, é possível ter um bom rendimento financeiro mesmo sem precisar vender em muita quantidade. Dentro desse segmento há vários micro-nichos que podem ser explorados, como loja virtual para equipamentos fotográficos, por exemplo. Esses tipos de produtos normalmente são vendidos diretamente no site da marca da câmera, não havendo muitos e-commerces que explorem mais de uma opção ao mesmo tempo.

Informática

Com o rápido desenvolvimento tecnológico e o crescimento dos jogos virtuais, a área da informática tem tudo para continuar entre os segmentos mais rentáveis do e-commerce. Normalmente estes produtos também são vendidos em grandes lojas do varejo. Contudo, por serem técnicos, muitas vezes o cliente não consegue o suporte necessário nestes sites.

Esta é uma brecha que novos empreendedores podem utilizar para penetrar – ou ampliar presença – no mercado, com sinais que apontam para o crescimento.

Com resultados positivos, o SaaS (Software as a Service – em português, Software como um Serviço) também figura nessa lista. Esse tipo de serviço funciona como aplicações online que podem ser usadas em computadores, smartphones e tablets. Como é um serviço, o cliente não compra a licença do produto, mas sim o direito de usar o serviço que ele oferece.

Entre alguns dos exemplos mais famosos do segmento, estão o Dropbox, Slack e Google Apps. Segundo um artigo divulgado no E-commerce Brasil, o mercado de SaaS deve superar a marca de US$ 112,8 até o fim de 2019. De acordo com dados da IDC, só no Brasil, em 2016 foram movimentados quase meio bilhão de dólares com o SaaS.

Casa e Decoração

Este segmento tem uma ampla variedade de produtos, como materiais de construção, móveis, itens de decoração, roupa de cama e mais. Além das grandes empresas de varejo, outras lojas como Tok & Stok e Etna também estão presentes no comércio online. Contudo, estes negócios demoraram a exigir uma presença virtual, o que abriu espaço para e-commerces exclusivos, como a Mobly.

Apesar de ter uma boa concorrência, este é um mercado ainda bastante aberto a novos empreendimentos, em especial aqueles que trabalham com peças exclusivas.

Mercado de turismo online como negócio lucrativo

Para empreendedores que desejam abrir um e-commerce, mas não querem arcar com custos de estoque e frete, uma boa solução é a de oferecer serviços como pacotes de viagens.

De acordo com um relatório realizado em 2017 pela Webshoppers, o mercado de turismo online atingiu um rendimento de R$ 30 bilhões, sendo que desde 2012 tem um crescimento médio de 15% ao ano.

Apesar de ser um segmento com alta rentabilidade, ainda não há uma variedade de e-commerces para a área. Além das já tradicionais agências de turismo, como a CVC, o mercado conta com poucas opções de lojas exclusivamentes virtuais, sendo as principais: Hotel Urbano e Zarpo.

Para saber mais sobre o mercado de turismo brasileiro e a importância dos consumidores da América Latina, confira o estudo: Conexões Regionais: o cenário dos turistas latino-americanos no Brasil.

Por que vender para o exterior pode ser um negócio lucrativo?

Se antes, o processo de abrir uma empresa em outro país envolvia maior investimento, mais custos e burocracia – já que a companhia precisava abrir uma franquia em outro país para poder vender para o exterior – com o avanço do e-commerce, esse cenário mudou drasticamente. Não é mais imprescindível ter uma loja física no local para introduzir a marca em novos mercados e vender para novos consumidores.

Para empresas que nasceram no Brasil, uma excelente oportunidade de expansão é a América Latina – e os dados divulgados por uma pesquisa da Radius Global confirmam isso.  Segundo o estudo, publicado em 2013, o fluxo de e-commerce entre Brasil e América Latina chegou ao rendimento de US$ 70 bilhões anuais. A exportação para países vizinhos chega a corresponder 40% do faturamento do comércio. Para chegar a estes resultados, a pesquisa fez um levantamento entre 400 lojas online da região (Brasil, México, Chile, Argentina, Colômbia, Peru e Costa Rica).

Uma das principais vantagens é o idioma único, o que facilita no atendimento ao cliente, criação do site, divulgação de informações importantes, publicidade e mais. Além disso, a familiaridade com a cultura brasileira é outro fator que favorece a comunicação entre o comércio e o consumidor.

Com o poder de compra do latino-americano aumentando, os consumidores tendem a gastar mais. Não é a toa que a América Latina vem figurando como líder mundial em crescimento do setor e-commerce, sendo a Colômbia e a Argentina os países com expansão mais acelerada.

Além do aumento no poder de compra, a população da região também está com maior acesso à internet. Em 2016, se estimava cerca de 120 milhões de compradores online na América Latina. Para 2019, se espera que este número atinja a marca de 150 milhões, um aumento de 25%.

Outra vantagem de apostar no mercado latino-americano para a expansão do seu negócio é em relação a saturação e competição na região. Enquanto em outros continentes, como América do Norte e Europa, a competitividade e alta gama de lojas virtuais atrapalha a criação de um novo empreendimento, a América Latina ainda oferece muito espaço para que ele possa crescer.

Além disso, muitos consumidores latinos têm confiança na hora de comprar em e-commerces estrangeiros. Em 2016, por exemplo, 44% das compras realizadas na região eram importadas.

Ao analisar estes dados, fica claro que o mercado latino-americano é uma excelente oportunidade para quem deseja expandir o seu negócio. Para não perder nenhuma chance com estes consumidores, o ideal é que o site trabalhe com métodos de pagamentos locais para que o cliente consiga pagar em sua moeda, sem se preocupar com o IOF.

O e-commerce no Brasil e na América Latina tem tido um crescimento acima do mundial nos últimos anos, especialmente pelo aumento no poder de compra e acesso à internet na região. Entre os negócios online mais lucrativos estão a venda de celulares, eletrônicos e itens para casa e decoração. Para quem deseja fugir dos custos com estoque e frete, o mercado de turismo também tem se mostrado uma excelente opção.

Por conta da expansão do comércio eletrônico na América Latina e a facilidade do idioma único, muitos empreendedores estão procurando formas de começar a vender para a região. Se você também deseja deseja lucrar com esta oportunidade, confira outros materiais que temos disponíveis sobre expansão para a região:

Você também pode gostar