Os co-fundadores da Loft (da esq. para a dir.) João Vianna, Florian Hagenbuch e Mate Pencz.
Os co-fundadores da Loft (da esq. para a dir.) João Vianna, Florian Hagenbuch e Mate Pencz. A startup foi o primeiro unicórnio brasileiro de 2020. Foto: Loft/Divulgação
Tecnologia

Loft quer descomplicar uma das maiores paixões dos latino-americanos: a casa própria

Segundo o co-fundador Mate Pencz, a startup de compra e venda de imóveis chegará a cinco novas capitais brasileiras em 2020, além da Cidade do México

Read in english

Nem bem 2020 começou e o ecossistema latino-americano ganhou um novo unicórnio–startup avaliada em US$ 1 bilhão ou mais. No último dia 2, a Loft, atingiu esse valor de mercado, segundo veículos como jornal O Estado de S.Paulo e a revista Exame, ao receber um aporte US$ 175 milhões, liderado pela Vulcan Capital e a Andreessen Horowitz (a empresa não confirma oficialmente esse novo valor de mercado).

O que a startup faz? Compra, reforma e vende imóveis, em um prazo total de quatro meses – sim, isso é rápido para um setor engessado pela burocracia legal e financeira como o mercado imobiliário brasileiro. Mas a empresa quer simplificar ainda mais todo o processo envolvido em uma das maiores paixões dos latinos-americanos: ter uma casa própria.

LEIA TAMBÉM: O que esperar do ecossistema latino-americano de startups em 2020

“Vemos o mercado de real estate das grandes cidades brasileiras e latino-americanas como uma grande oportunidade de negócio, pois hoje o processo de compra, reforma e venda, de forma geral, tem diversos pontos de melhoria no que diz respeito à qualidade da experiência do usuário”, explicou Mate Pencz, um dos co-fundadores e co-CEOs da startup, ao lado de Florian Hagenbuch, em entrevista ao LABS

Em termos práticos, isso quer dizer tornar os dados reais de compra e venda (ou seja, o valor realmente pago pelo imóvel e o valor financiado, por exemplo) visíveis e trabalhá-los da forma mais transparente possível, além de fazer reformas simultâneas e com garantia (para isso, adquiriu mais da metade das ações da startup especializada em reformas Decorati).

“Em termos de Brasil, vivemos um contexto econômico favorável, com os juros no menor patamar da história, o que é uma grande razão para as pessoas saírem do aluguel e partirem para o imóvel próprio”, observa o executivo.

Até o fim do primeiro semestre de 2020, a Loft deve ter um quadro de 550 funcionários. No início de 2019 eram 100. Foto: Loft/Divulgação

Loft quer chegar a mais cidades e diversificar tipo de imóvel comercializado

Desde a sua fundação, em agosto de 2018, a Loft levantou US$ 275 milhões em investimentos. Algo realmente impressionante e que talvez se explique pelo rápido crescimento da empresa: em 2019, a Loft gerou US$ 150 milhões em receitas e comprou, reformou e vendeu mais de 1 mil apartamentos na cidade de São Paulo.

Mate Pencz, co-fundador e co-CEO da Loft. Foto: Loft/Divulgação.

O mercado de real estate mundial tem seis vezes o tamanho do PIB mundial. Facilitar a compra, a reforma e a venda de imóveis por meio da aplicação de tecnologia está apenas começando em todo o mundo

Mate Pencz, co-fundador da Loft.

A megalópole brasileira foi o ponto de partida para a startup, que começou a atuar na cidade comercializando os apartamentos de luxo dos bairros Itaim, Jardim Paulistano e Jardins, mas logo expandiu sua atuação e agora atua em 18 bairros da capital paulista. Com o novo aporte, a Loft chega ao Rio de Janeiro e à Cidade do México, seu primeiro mercado internacional, nos primeiros meses de 2020–Juan Pablo Ramos, ex-diretor de expansão regional do Uber Eats na América Latina, foi contratado para essa primeira operação fora do Brasil.

LEIA TAMBÉM: “Um unicórnio na América Latina é apenas consequência da solução de um grande problema”, diz Rodrigo Baer, da Redpoint eventures

Pencz não detalhou a chegada ao México, mas imagina-se que a empresa comece a explorar a megalópole mexicana aos poucos, em bairros específicos, assim como fez em São Paulo. 

Até o segundo trimestre, será a vez de Belo Horizonte e, até o fim de deste ano, outras três capitais devem receber os serviços da startup (Curitiba, Porto Alegre e Brasília estariam entre as candidatas).

A diversificação quanto ao tipo de imóvel também está nos planos da startup, que informa que os apartamentos de menos de 100 metros quadrados já respondem por um quarto das transações da empresa em São Paulo. Segundo Pencz, essa proporção deve aumentar mais e de forma acelerada nos próximos meses, a medida que a empresa chega a novas praças.

VEJA TAMBÉM: Corrida dos Unicórnios 2020: Distrito apresenta estudo sobre as startups brasileiras de maior potencial

Loft não tem medo da concorrência

Recentemente, outra startup brasileira do ramo, que também virou unicórnio, a QuintoAndar, passou a testar, em um projeto-piloto, a reforma de imóveis antes de colocá-los para locação, além da compra e venda de imóveis, em algumas regiões de São Paulo.

LEIA TAMBÉM: 2017 a 2019 – Uma cronologia dos unicórnios da América Latina

São modelos de negócio similares, mas com focos e operações distintas. A QuintoAndar começou focada no aluguel, com um olho no proprietário que não quer deixar sua fonte de renda extra parada, e o outro no inquilino jovem, que não vê mais razão para ter um imóvel próprio. Hoje, opera em 25 cidades brasileiras.

As gerações mais novas, mesmo na América Latina, tendem a olhar com mais desapego para o imóvel. Questionado sobre isso, Pencz respondeu que é provável que a Loft venha a lançar, “no futuro”, um serviço também para o mercado de locação, como forma de complementar seu portfólio, mas que não há novidades sobre isso no momento.

E a Loft não tem medo da concorrência. “A recente entrada de concorrentes é uma ótima notícia a todos, porque valida o modelo. Estamos no caminho certo”, disse Pencz.