O CEO e fundador da etermax, Maximo Cavazzani.
O CEO e fundador da etermax, Maximo Cavazzani. Foto: etermax/Divulgação.
Tecnologia

Argentina etermax quer contratar 120 novos talentos e se firmar como referência em monetização de games e soluções em IA

Mais conhecida por seus jogos mobile, como Perguntados, o futuro unicórnio latino-americano já atua nas duas novas frentes desde 2018, com clientes como Mercado Livre, Coca-Cola, Sega e Rovio, criadora de Andry Birds

Read in english

Cotada para ser um dos próximos unicórnios latino-americanos e mais conhecida pelo jogo de tabuleiro e palavras cruzadas Perguntados (Preguntados em espanhol, e Trivia Crack em inglês), a argentina etermax quer expandir globalmente e se firmar não só como uma produtora de jogos mobile, mas como uma referência em monetização de games por meio da publicidade e uma empresa de soluções em inteligência artificial para qualquer tipo de setor.

A empresa reformulou a sua identidade em maio, criando três marcas específicas para reforçar os três negócios em que atua: etermax Gaming (desenvolvimento de games, sobretudo gratuitos), Flame by etermax (campanhas de publicidade dentro do mundo dos games, adversing in-game) e etermax AI Labs (de inteligência artificial). E junto com as novas marcas, a etermax está investindo em novos talentos.

LEIA TAMBÉM: Dois latino-americanos entraram na lista das 35 mentes inovadoras com menos de 35 anos

“Dos 80 novos talentos que contratamos neste ano, 50 foram durante a pandemia. Estamos pensando fora da caixa, e atraindo talentos ao redor do mundo,” contou o CEO e fundador da etermax, Maximo Cavazzani, em entrevista ao LABS.

A empresa deve contratar mais 120 novos colaboradores na segunda metade deste ano. Atualmente, a etermax tem mais de 400 funcionários distribuídos em escritórios na Argentina (dois em Buenos Aires e um em Mendoza, este último aberto neste ano), no Uruguai (Montevidéo, aberto em 2014) e na Alemanha (Berlim, aberto em 2018). Há também equipes de vendas no México (Cidade do México) e no Brasil (São Paulo) – esta última montada em outubro do ano passado. O escritório brasileiro é uma das prioridades para as novas contratações.

Escritório da etermax em Buenos Aires.
Escritório da etermax em Buenos Aires. Foto: etermax/Divulgação

Como a etermax começou

Cavazzani começou no mundo dos apps em 2008, antes mesmo de se formar no Instituto de Tecnologia de Buenos Aires (ITBA). Ainda estudante, ele criou o iStockManager, o primeiro aplicativo gratuito para iPad, iPhone, BlackBerry e Android para comprar e vender ações. Cavazzani vendeu o app para a TD Ameritrade, uma corretora americana.

Já no fim de 2009, com outros dois amigos da faculdade, ele criou a etermax, uma empresa inicialmente focada em desenvolvimento de softwares e aplicações multiplataforma.

Foto: etermax/Divulgação.

Dois anos depois nós decidimos criar nosso primeiro jogo, Apalavrados (Apalabrados em espanhol, e Aworded, em inglês). Foi quando percebemos que queríamos seguir este caminho

Maximo Cavazzani, fundador e ceo da etermax.

O jogo foi um sucesso e, a partir dele, a etermax lançou outros jogos sociais. Em 2012, veio o segundo jogo de palavras, Word Crack, e em 2013, o jogo de bingo Bingo Crack. Em outubro daquele mesmo ano, a empresa lançou o Perguntados, com questões de conhecimentos gerais regionais e mundiais. Alguns meses após o lançamento, o Perguntados chegou ao primeiro lugar no ranking de downloads de apps e jogos na América Latina. Em 2014, o jogo chegou aos EUA e quebrou recordes, ficando por mais de dois meses no topo do ranking do Google Play e da App Store.

LEIA TAMBÉM: AliExpress quer levar a febre das lives de e-commerce para o mundo

A grande sacada do Perguntados é que ele é um jogo colaborativo. Cerca de 200 perguntas novas são sugeridas pela comunidade do jogo todos os dias. Essa dinâmica faz com que ele se renove e mantenha o interesse dos participantes. Desde a sua criação, o Perguntados já teve 500 milhões de downloads, e está disponível em 180 países, em 34 idiomas. Juntando todos os jogos, a etermax tem 150 milhões de jogadores ativos.

Aonde a etermax quer chegar

Foi descobrindo como monetizar seus próprios jogos gratuitos que a etermax ganhou expertise em criar campanhas e anúncios para jogos e passou, a partir de 2018, a representar títulos de outras empresas na América Latina. A Flame by etermax representa mais de 1,8 mil títulos de empresas como Sega e Rovio, criadora do sucesso Angry Birds, e já fez campanhas para clientes como Universal Pictures e Coca-Cola

“Existem basicamente três maneiras de monetizar jogos: vendendo o jogo, vendendo coisas dentro do jogo, e vendendo anúncios dentro do jogo. Esse último é o único que realmente torna um jogo gratuito e é o que fazemos com o público latino-americano. Para as empresas de fora é muito complicado chegar na América Latina e tentar vender anúncios,” explica o executivo. Quando fala em América Latina, Cavazzani se refere principalmente à Argentina, ao Brasil, ao México e à Colômbia como os maiores mercados da região. 

A unidade de negócios de inteligência artificial também começou em 2018. Por meio da etermax AI Labs, a empresa busca soluções para transformar dados em conhecimento e processos automatizados. Foi isso o que fez para clientes como Walmart, Banco Galicia e Mercado Livre na Argentina.

No caso do Mercado Livre, a empresa criou um chatbot, batizado de Respondidos, para os vendedores do marketplace. “Com a nossa tecnologia conseguimos automatizar entre 70% e 80% das respostas às perguntas feitas aos vendedores”, explica Cavazzani. Até hoje, essa unidade de negócios da etermax já desenvolveu mais de 50 projetos para diferentes clientes. 

Para reforçar essa unidade de negócios, a etermax adquiriu, no ano passado, a Cognitiva, empresa especializada em IA que também trabalha com o Watson, a tecnologia da IBM para o segmento, em países da América Latina.

Como meta para este ano, Cavazzani diz que o foco é aumentar a sinergia entre a etermax e a empresa recém-adquirida, testando novas aplicações, conceitos, para diferentes setores. “Uma das sinergias é a gamificação, isto é, permitir que eles utilizem o conhecimento da etermax criando jogos que possam resolver problemas. Do nosso lado, também queremos aprender como eles resolvem problemas”, explica o executivo.

LEIA TAMBÉM: Coursera cresceu seis vezes mais rápido puxada por ações de resposta a Covid-19

Na área de gaming, a etermax pretende lançar seis jogos mobile neste ano. Desde março, a empresa lançou cinco: Misturadinhos 2, Adivinhados, Apalavrados 2, Word Show e Topic Twister. Todos, em geral, são desafios de formação de palavras e vocabulário. Nesse período de isolamento social devido à pandemia do novo coronavirus, a empresa viu o número de downloads de seus jogos aumentar em 20%. “Queremos construir tecnologia para fazer mais jogos em menos tempos, e com melhor qualidade. Esperamos dobrar o número de jogos em 2021”, diz o executivo.

Na área de publicidade, a ideia é explorar melhor os mercados do Brasil e do México. “Queremos conhecer melhor os usuários e expandir os negócios localmente nesses dois outros grandes mercados da América Latina, além da Argentina”, frisa Cavazzani. Como o LABS mostrou na quarta edição da revista digital LABS Collections, o futuro dos games está nos smartphones, e o número de novos jogadores casuais, que preferem jogos gratuitos e mobile, é cada vez maior. 

Em 2019, de acordo com a consultoria especializada em jogos Newzoo, o mercado de games faturou US$ 148,8 bilhões em receita, mais do que a indústria cinematográfica e musical combinadas. Para 2020, a Newzoo prevê que os jogos para dispositivos móveis gerarão uma receita de US$ 77,2 bilhões, um crescimento de mais de 13,3% em relação a 2019, superando PCs e consoles.