Tecnologia

Amazon Prime e Apple TV+ abrem nova frente de batalha no streaming na América Latina

Os dois serviços desembarcam no Brasil com planos mensais de R$ 9,90 – preço muito abaixo da Netflix, que reina absoluta no país

Read in english

Manter-se na liderança do mercado de streaming é uma missão cada dia mais difícil para a Netflix. Nesta terça-feira (10), a Apple anunciou que lançará o Apple TV + em 100 países no próximo dia 1º de novembro, incluindo Brasil e México. Também nesta terça, o Amazon Prime desembarcou no Brasil, um dos reinados absolutos da Netflix. Os dois serviços cobrarão R$ 9,90 mensais, valor bem abaixo dos R$ 19,90 na Netflix no país.

A aposta em produções próprias está levando a um aumento de custos que já impacta o lucro da Netflix – que teve queda de 29,4% no segundo trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado – e não atrai o número de assinantes esperado. A estreia do Amazon Prime e do Apple TV+  no Brasil, país onde o Netflix reina absoluto com 12,5 milhões de assinantes, promete ser uma nova frente de batalha desta guerra global.

Foi a estratégia de apostar em produções próprias que também levou a empresa a aumentar preços em todos os lugares onde atua, de 2018 para cá. Diante da chegada de novos players que também estão investindo milhões em conteúdos originais, mas com preços agressivamente baixos, no entanto, a Netflix precisa rever seus planos. No caso do Amazon Prime, o combo oferecido vai além do entretenimento, inclui frete gratis ilimitado e entrega em até 48 horas para compras no e-commerce. 

LEIA TAMBÉM: A Netflix está testando uma nova forma de recomendar novos conteúdos para os usuários

Em 2020, é a vez de HBO Max, da Warner Media, e Disney+, da Disney, desembarcarem no Brasil e outros países da América Latina. Esses dois novos players também prometem guerra de preços. No caso do Disney +, a assinatura anunciada nos Estados Unidos é de US$ 6,99 mensais. Isso quer dizer que os preços na América Latina também deverão ser altamente competitivos. E, claro, não é só uma questão de preço. A Disney chega com a força de suas produções originais e franquias gigantescas como Marvel.

Além do México, o Brasil é o principal mercado para essas empresas na América Latina. É aqui que a guerra pelos assinantes latino-americanos será travada.

Um mercado antes centralizado abre as portas para que diferentes players conquistem uma parcela mais significativa do público, desenhando um futuro completamente diferente para os produtos de streamings no mercado brasileiro. 

LEIA TAMBÉM: Grupo Globo estreia no licenciamento de games com a francesa Ubisoft

Quem realmente irá conquistar a liderança no país? Ainda é cedo para dizer. Traçamos a seguir o perfil dos principais serviços de streaming disponíveis no Brasil e suas vantagens:

Netflix, a líder ameaçada

Desde que alcançou a popularidade, a Netflix tornou-se praticamente um sinônimo de serviço de streaming entre o público brasileiro, sendo difícil encontrar um usuário adepto de outra marca que não a americana no país. Mas o que parecia ser um reinado sólido está prestes a ser desconstruído. 

Além da necessidade de elevar os preços de assinaturas para equilibrar a receita do negócio, a empresa perdeu parte de seu portfólio para Disney e HBO Max. Este último ficou com Friends, série mais assistida na Netflix.

No Brasil, o serviço passou por um reajuste que elevou os preços do plano básico de R$ 19,90 e o do premium de R$ 37,90 para R$ 21,90 a R$ 45,90. A grande aposta da empresa são as produções autorais, como Stranger Things, que possui destaque internacional, e produções exclusivamente voltadas ao público brasileiro, como a recente série Sintonia, produzida por Kondzilla, e a segunda temporada já confirmada de Vai, Anitta

Disney+, a grande promessa para 2020

Com um portfólio que oferece os clássicos atemporais da Disney, os filmes de Star Wars e toda a franquia da Marvel, que bateu todos os recordes de bilheterias nas salas de cinema em todo o mundo, o Disney+ chega ao Brasil em 2020 com a promessa de ser um dos grandes players a entrar na briga pela liderança do mercado. 

Ainda que os valores de mensalidade para os brasileiros ainda não tenham sido confirmados, o serviço será lançado nos Estados Unidos em novembro com uma mensalidade de US$ 7, sugerindo que o produto chegue ao Brasil com um valor similar ao praticado pela Netflix até o momento.

Uma outra grande similaridade entre as duas empresas é a interface, declaradamente ambos os produtos terão uma forma similar de exibir os programas e séries disponíveis para os usuários.

Amazon Prime, o melhor custo-benefício junto com a Apple TV +

O serviço é um combo de acesso a músicas, livros, jogos, séries e filmes em streaming. O plano mensal custa R$ 9,90 e R$ 89,90 por ano. A assinatura também garante frete grátis para pedidos feitos na loja on-line e acesso a promoções exclusivas.

O pacote de serviços inclui o Prime Video, concorrente da Netflix, e o Prime Music, concorrente do Spotify, mas com um catálogo menor de músicas. Há também o Prime Reading, de leitura de livros eletrônicos e revistas, além do Twitch Prime, que oferece acesso a uma seleção mensal de jogos permanentes para download.

O grande destaque é a inclusão de benefícios relacionados às compras. Os assinantes recebem frete grátis e ilimitado para todo o país, sem valor mínimo de compra e entrega mais rápida do que nos pedidos tradicionais. Mais de 20 categorias de produtos entregues pela Amazon, incluindo eletrônicos, livros, roupas, eletrodomésticos e outras, são cobertas pelo novo benefício.

Caso um cliente esteja no período de avaliação do Prime Video, quando a avaliação gratuita terminar, ele será automaticamente migrado para o Prime. Qualquer cliente que já esteja aproveitando a oferta de R$ 7,90 e que logo passaria a pagar R$ 14,90, também vai migrar automaticamente para o valor de R$ 9,90 por mês (ou R$ 89 por ano).

Apple TV +, o melhor custo-benefício junto com o Amazon Prime

O Apple TV +, o novo serviço de streaming da Apple, deve ser lançado em mais de 100 países, incluindo México e Brasil, no próximo dia 1º de novembro. No Brasil, o serviço custará R$ 9,90 mensais. No México, 69 pesos.

O usuário pode registrar até seis membros da família para compartilhar uma assinatura do Apple TV +. Além disso, os clientes que comprarem iPhone, iPad, Apple TV, iPod touch ou Mac poderão desfrutar de um ano do Apple TV + gratuitamente.

O serviço oferecerá programas originais como The Morning Show, Dickinson, See, For All Mankind e The Elephant Queen – clique aqui para assistir aos trailers. O Apple TV + também estará disponível no aplicativo Apple TV em 2018, 2019 e TVs inteligentes Samsung mais recentes e nas plataformas Amazon Fire TV, LG, Roku, Sony e VIZIO no futuro.