Sede da fintech Creditas em São Paulo.
Negócios

Com SoftBank, Creditas expande para Espanha e chega ao México

Fintech quer ser a grande parceira do consumidor no momento das compras mais importantes da vida dele. Saiba mais na quarta reportagem da série As Rocket Ships do Brasil

Fundada ainda em 2012 como BankFácil, pelo espanhol Sergio Furio, a Creditas nasceu de fato cinco anos depois, após um aporte de R$ 60 milhões liderado pelo IFC, braço do Banco Mundial, e que também foi alvo do primeiro investimento do Naspers Fintech na América Latina. Outros fundos pioneiros da região que já haviam apostado na empresa em 2016, como Redpoint eventures e Kaszek Ventures, também participaram dessa rodada. Mas foram as duas rodadas que vieram depois que foram realmente o ponto de virada dessa fintech brasileira.

Em 2018, a Creditas recebeu US$ 55 milhões em uma rodada Série C liderada pelo fundo sueco Vostok Emerging Finance. O montante, que também teve a participação do Santander InnoVentures, fundo do banco Santander, e do Amadeus Capital Partners, foi importante para a escalada da fintech ao longo de todo o ano, apoiada nos produtos que já existiam, de concessão de crédito com garantia no imóvel e no carro. Foi o ano em que a Creditas realmente ajudou o consumidor brasileiro a conhecer o home equity–um tipo de crédito tão comum e abrangente em outros países, mas ainda pouco ofertado e utilizado no país. Enquanto nos EUA essas linhas respondem por 15% do crédito residencial, no Brasil essa proporção não chega a 2%. 

LEIA TAMBÉM: As Rocket Ships do Brasil – Conta Azul quer chegar a 1 milhão de pequenas empresas até 2025

Já a rodada da Série D, anunciada em julho deste ano, marcou a internacionalização da fintech. A rodada de US$ 231 milhões foi liderada pelo SoftBank Vision Fund e pelo próprio conglomerado do SoftBank Group Corp. Os investidores anteriores da fintech também participaram da rodada.

Com esses recursos, a Creditas adicionou uma terceira linha de crédito na sua operação, lastreada na garantia do salário. “A gente comprou uma plataforma chamada Creditoo, focada em consignado privado, e completamos a trinca das principais garantias que todo mundo tem, que é o carro, a casa e o salário. E agora estamos pensando em mais produtos para além do crédito nesses três ecossistemas de garantia, que é como gosto de chamar essas três linhas”, explicou o VP de Desenvolvimento de Negócios da fintech, Fabio Zveibil, ao LABS.

Com a última rodada, o valor de mercado da Creditas saltou de US$ 250 milhões para US$ 750 milhões – mas mesmo antes disso a fintech já estava na lista de startups cotadas a unicórnio da plataforma de inovação Distrito

LEIA TAMBÉM: 2017 a 2019 – Uma cronologia dos unicórnios da América Latina

Os novos recursos serão combustível não só para a fintech continuar crescendo no Brasil, mas também expandir sua atuação para outros países da América Latina, começando pelo México.

Foto: Divulgação.

Não está definido exatamente com qual produto, mas estrearemos no México ainda em 2019.

Fabio Zveibil, VP de Desenvolvimento de Negócios da Creditas.

Além de levar a operação para o México, a Creditas também acaba de abrir um escritório em Valência, na Espanha. “A escolha da Espanha ocorreu muito porque o Fúrio é de lá, mas também porque é um ambiente em pleno desenvolvimento e que pode acelerar o nosso também”, diz Zveibil. No Brasil, a Creditas tem sede em São Paulo e escritório em Porto Alegre. 

Os novos produtos da Creditas

No caso do crédito ligado ao carro, a Creditas também passará a oferecer, em breve, o financiamento para a aquisição do veículo. “O cliente vai poder não só usar o veículo que ele já tem para pegar dinheiro, mas pegar crédito para comprar um veículo. Nós vamos ainda agregar produtos e serviços na aquisição desse veículo, por meio de parcerias. O cliente vai poder fazer manutenção e seguro mais baratos, além de trocar de carro quando ele quiser. Eu quero ser a referência para o meu cliente quando ele pensar em carro, e seguir a mesma lógica em relação à casa e o salário”, ressalta Zveibil. 

No caso do imóvel, a Creditas lançou, há dois meses, somente em São Paulo, um crédito específico para reforma. Com ele, o cliente pode usar até 15% do valor do próprio imóvel como garantia de um empréstimo para renovar a casa. “Como quase toda reforma acaba saindo bem mais caro que o planejado, a grande sacada nesse caso é que oferecemos o projeto [da reforma]”, conta Zveibil, que também diz que o plano é firmar parcerias para fornecer também a mão de obra para a realização das reformas. Ainda não há previsão de quando ele será oferecido em outros locais do Brasil.

Já no caso do salário, a Creditas está desenvolvendo uma linha que permite o pagamento parcelado de produtos de ticket alto vinculado ao desconto em folha. “A gente vai criar um marketplace para as pessoas comprarem coisas de ticket alto. Uma pessoa que tem um salário de R$ 2 mil não tem um limite grande no cartão de crédito para comprar uma televisão, mas pode perfeitamente pagar parcelas [condizentes com um bem como esse]”, explica Zveibil. A ideia é oferecer eletroeletrônicos, eletrodomésticos, viagens e até produtos e serviços na área de educação, tudo com garantia no salário.